8 dicas para se diferenciar em uma feira

Atualizado: 16 de fev. de 2020

Neste último final de semana (25/08/2019), estivemos na MADE e, durante a caminhada ao longo dos estandes, algo ficou claro: para estar em uma feira que une temas como Arte e Design, pensar no seu espaço dentro deste lugar é primordial.


A MADE – Mercado Arte e Design – é uma feira internacional de design colecionável e que teve sua 7ª edição em São Paulo, no Pavilhão da Bienal, de 22/08 a 25/08/2019.

A proposta da MADE é trazer, por meio de exposições e instalações de renomadas galerias de design, conteúdos de qualidade, revelar novos talentos, incentivar novas produções e, com isso, ampliar o alcance da cultura do design.

Analisando as propostas que cada marca trouxe com seu espaço, destacamos 8 pontos que podem fazer a diferença quando trabalhados, que são: monocromia, material gráfico, visual merchandising, produção, experiência, mensagem, associação e exposição. Passaremos item a item.

MONOCROMIA

Os estandes têm seu espaço limitado e a ideia de abraçar uma cor e se apropriar bem dela, como fez o Platô Studio na foto abaixo, cria uma unidade aos olhos dos visitantes, o que acaba chamando mais atenção entre os estandes vizinhos. Neste caso, o resultado foi esteticamente agradável e as embalagens e produtos complementaram a experiência.

Fotos do estande da Platô Studio

MATERIAL GRÁFICO

No estande de Noemi Saga, sua tapeçaria serviu como cenário. Campeã dos materiais gráficos, ela dirige suas campanhas, cria lindos catálogos com conteúdos dignos de editorial, sempre com cores e elementos complementares ao que está sendo exposto.

As vantagens de um bom material gráfico são várias, começando pela melhor exposição do seu produto, possibilita passar informações técnicas do que será vendido, comunicar de maneira sensível e delicada o DNA da marca e, além disso, encantar os clientes que levarão pra casa este material, se tornando mais uma chance de lembrarem da marca.

Fotos do estande da Noemi Saga – à esquerda sua tapeçaria e luminárias e à direita seu material gráfico.

VISUAL MERCHANDISING

Para quem não sabe, Visual Merchandising é tudo que envolve a experiência do consumidor no ponto de venda e/ou exposição. Se bem aplicado, pode impulsionar bastante a venda de um produto específico, destacar peculiaridades da marca, provocar sensações positivas e até registrá-las na mente do visitante.

No caso da Xá de Cadera, o tema foi explorado de forma original na apresentação, aproximando o visitante da matéria-prima. Aproveitando o design bacana e simples da embalagem, também se valeram da repetição dos produtos na estante para trazer unidade e compreensão de que estavam à venda.


PRODUÇÃO

Produzir bem o seu espaço com elementos do cotidiano pode facilitar a associação das peças com a sua função e usabilidade além de deixar o ambiente visivelmente mais agradável. O Estúdio Iludi explorou de forma original e assertiva a ambientação do seu espaço. Escolheram azulejos brancos para as bancadas (remetendo às cozinhas e também ao estilo mais industrial), se mantiveram minimalistas deixando o destaque para os produtos, exibiram os processos de produção das peças através de imagens dispostas como quadrinhos, trouxeram elementos como bananas e ovos para ilustrar funcionalidade e agregar contraste de cor e ainda complementaram com detalhe do pano de prato levando sua frase de impacto "Ideias em movimento".

Fotos do estande do Estúdio Ilude

EXPERIÊNCIA

Uma dica já conhecida é a de conquistar os visitantes deixando um registro em suas memórias através de experiências interativas. No espaço de Murilo Weitz, o convite para deitar-se nos tapetes e fazer uma foto no espelho vinha do próprio designer que se deitava junto para deixar os convidados mais à vontade. Ótima ideia para gravar os desenhos nas memórias e fotografias de quem passou por lá.

Foto da brincadeira proposta por Weitz, com a tapeçaria e espelho

MENSAGEM TEXTUAL

A ceramista Carol Peraca expôs uma coleção cheia de mensagens e significados em palavras gravadas nas suas próprias peças. Além da produção do estande também estar de acordo com a intenção, os visitantes deixavam o espaço com pensamentos positivos, como: “O vento pode balançar, mas não derruba.”.

Existem várias maneiras de transmitir uma mensagem que não necessariamente no produto em si. Algumas ideias seriam: explorar o manifesto da marca (quando houver um), entregar um brinde com frase de impacto aos visitantes ou até elementos decorativos que possam carregar os ideais da marca.


ASSOCIAÇÃO

Uma boa maneira de se conectar com seus visitantes é pela associação. E isso pode acontecer de diversas maneiras, trazendo objetos que os conectem a algum lugar ou situação, desde imagens, mimos gastronômicos ou até trilhas sonoras. A marca colombiana &Lar trouxe imagens da região para expor junto às peças, deixando clara a origem dos materiais e mão-de-obra artesanal, características bem fortes do seu DNA. Uma forma simples, mas que passou a mensagem necessária, de maneira efetiva, sem roubar a cena das peças.


EXPOSIÇÃO

Numa feira vale pensar como o visitante enxergará o seu produto e como poderá promovê-lo da melhor forma também. O coletivo 462 optou por fundo infinito e iluminação adequada, o que ajudou na visualização das peças e fotografia delas. Optaram por uma linguagem mais minimalista, o que fez com que as peças permanecessem como protagonistas, além disso, deixaram na parede a explicação exata de quem era o quê, de forma leve e objetiva.



Por fim, vale lembrar que existem outros pontos importantes a serem considerados quando falamos de exposição da marca e/ou produto, citamos apenas alguns deles que se sobressaíram durante nosso passeio pela feira MADE.

Fique ligado que abordaremos novos futuramente.





47 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo